Monday, December 19, 2011

 

Tudo cresce muito mais na Holanda! Por que?


A carência de certos elementos químicos provoca distúrbios na flora e na fauna. Para comprovar isso, basta observar certas áreas onde a vida se desenvolve com exuberância e outras onde não há manifestação de determinados estados patológicos, comuns às áreas vizinhas.

Os meios de comunicação noticiaram que o governo holandês estava preocupado com o aumento da estatura média de seu povo. Mas não só o homem holandês é alto e forte: na verdade, todos os animais que vivem na Holanda são impressionantemente grandes e robustos: os coelhos parecem cabritos, os frangos tendem a ter o tamanho de perus, os cavalos são altos e fortes como elefantes, as vacas são verdadeiras fábricas de leite. A Holanda é quase a única produtora de sementes da famosa batatinha (que inclusive leva seu nome: batata-holandesa), e a exporta para todo o mundo. Ela produz ainda, com destaque, suas tradicionais tulipas, outro item que exporta abundantemente para o mundo. Suas hortaliças e flores são insuperáveis em vigor e beleza. Em resumo, na Holanda (Países Baixos), tudo é grande, forte, vigoroso e bonito, seja na flora ou na fauna.

Mas, quando exportado, o gado holandês passa a produzir menos leite, embora sejam mantidos os padrões genéticos e o mesmo tipo de tratamento; os coelhos perdem em tamanho após algumas gerações; as sementes de batata holandesa permitem apenas duas colheitas, a terceira já enfraquece. Tudo o que seja da flora e da fauna holandesa, quando exportado, normalmente degenera.

Por que essa exuberância tão especial na Holanda?

A explicação é simples: grande parte das terras produtivas da Holanda era, a princípio, o leito do Mar do Norte. Por milhões de anos, as chuvas, as enxurradas e os rios levaram para esse mar fechado os sais minerais roubados da crosta terrestre, depositando-os no leito desse mar. O povo holandês cercou parte desse leito com diques, secou essa área, eliminou o cloreto de sódio e, em seguida, plantou. Em síntese, o povo holandês inverteu o ciclo, trazendo novamente para sua flora e fauna os sais minerais que antes a natureza lhes retirara. Elementar, meu caro Watson...

Fonte: Francisco Antunes, Terapia Ortomolecular Natural - O uso da água do mar como método terapêutico, Editora Cultrix, 2000. ISBN 85-316-0684-5.

Labels:


Comments: Post a Comment

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?